Previsto Bolsonaro vender o Aeroporto de Tabatinga em 2020

10/01/2018, quinta-feira

Foto: Divulgação/Infraero

De Panrotas/Marcos Martins

O programa brasileiro de concessões de aeroportos tomou outro rumo com a inclusão dos aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ), considerados valiosos pelo mercado. No entanto, estes serão os últimos a serem concedidos à iniciativa privada, de acordo com a Centre For Aviation.

O projeto inicial do governo, elaborado a pedido do presidente Jair Bolsonaro, prevê a transferência de 44 terminais, divididos em seis blocos regionais, à iniciativa privada, em duas rodadas de negócios, que acontecerão a partir de 2020. A estratégia é colocar aeroportos mais lucrativos como líderes de blocos com outros terminais mais fracos.

Em publicação no Twitter, Bolsonaro afirmou que o objetivo é atrair cerca de R$ 7 bilhões por meio da concessão de rodovias, doze aeroportos e quatro terminais portuários. “Com a confiança do investidor sob condições favoráveis à população, resgataremos o desenvolvimento inicial da infraestrutura do Brasil”, finalizou.

Rapidamente atrairemos investimentos iniciais em torno de R$ 7 bi, com concessões de ferrovia, 12 aeroportos e 4 terminais portuários. Com a confiança do investidor sob condições favoráveis à população resgataremos o desenvolvimento inicial da infraestrutura do Brasil.
— Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) 3 de janeiro de 2019

DESAFIOS

A principal dificuldade será atrair o interesse de investidores para os aeroportos menos movimentados em regiões de interior. No entanto, com entrada dos “aeroportos âncoras” de São Paulo e Rio de Janeiro aumentam as chances de fortalecer os blocos.

A lista de aeroportos já concedidos à iniciativa privada já inclui Porto AlegreFlorianópolisSalvador e Fortaleza. Após a última rodada de negócios, a rede de aeroportos da Infraero deve ser extinta, segundo previsões.

Confira os seis blocos na íntegra:

(Primeira rodada)

BLOCO SUL
Curitiba
Foz do Iguaçu (PR)
Londrina
Joinville
Navegantes (SC)
Pelotas (RS)
Uruguaiana (RS)
Bagé (RS)

BLOCO NORTE 1
Manaus
Porto Velho
Boa Vista
Rio Branco
Cruzeiro do Sul (AC)
Tabatinga (AM)
Tefé (AM)

BLOCO CENTRAL
Goiânia
Palmas
São Luís
Teresina
Petrolina (PE)
Imperatriz (MA)

(Segunda rodada)

BLOCO SÃO PAULO - MATO GROSSO DO SUL
Congonhas (SP)
Campo Grande
Corumbá (MS)
Ponta Porã (MS)

BLOCO RIO-MINAS
Santos Dumont
Uberlândia (MG)
Uberaba (MG)
Montes Claros (MG)

BLOCO NORTE 2
Investimento: US$ 314,7 milhões
Belém
Macapá
Santarém (PA)
Altamira (PA)
Marabá (PA)
Carajás (PA)


Seja o primeiro a comentar

Comentários