Últimas Notícias

PROPAGANDA

PROPAGANDA

#Amazonas - Nejmi Aziz é investigada pela Federal, por suspeita de "lavagem" de dinheiro

18/10/2016, terça-feira

Foto: De cima para baixo: Reprodução/Internet e documento mostra  que a investigação é sobre movimentação atípica de milhões de reais. (Reprodução/D24AM)

A Superintendência da Polícia Federal no Amazonas está investigando a ENE Empreendimentos e Participações, uma empresa registrada em nome de Nejmi Aziz, mulher do ex-governador do Amazonas, senador Omar Aziz (PSD), que não tem funcionários, com endereço que se confunde com o de uma escola, e que chamou a atenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) - órgão de inteligência do Ministério da Fazenda, por receber depósito de R$ 4,9 milhões numa movimentação considerada 'atípica' pelo órgão. As informações foram publicadas no último domingo (16) no jornal Folha de S. Paulo.

Segundo o relatório, a ENE, que tinha como endereço o Centro Educacional Carmina Dessana,  possuía como procurador Celso de Oliveira Alves, um servidor público lotado, pelo menos até 2014, na Secretaria de Governo da Prefeitura de Manaus, onde receberia salário de R$ 13 mil brutos, mas, mesmo assim, depositou, pelo menos, R$ 998.100,00 na conta da empresa de Nejmi e efetuou  compras de R$ 600 mil na Amsterdam Sauer Joalheiros Ltda.,  uma luxuosa joalheria especializada em diamantes e topázios, nos dias 26 e 27 de dezembro de 2013, no Rio de Janeiro. De acordo com o inquérito policial, a ENE e Celso de Oliveira foram relacionados em comunicações atípicas de prática de operações em espécie, realizadas entre janeiro de 2007 e fevereiro de 2014, que totalizam, aproximadamente, R$ 12,8 milhões.

Segundo relatório do Coaf encaminhado à PF, a empresa indicou como origem dos R$ 4,9 milhões a venda de imóveis. Porém, surgiram dúvidas sobre as operações, que seriam "incompatíveis com o ramo de atividade". Embora tivesse como endereço de residência um conjunto de apartamentos "para pessoas carentes, financiado pelo governo estadual" (Residencial Petrópolis, da Suhab), Celso de Oliveira Alves movimentou R$ 5,9 milhões entre saques e depósitos somente em 2013. Em busca na internet, Celso aparece, em dezembro de 2008, como membro da direção do PMN, partido ao qual era filiado Omar Aziz.

Ainda segundo relatório do Coaf encaminhado à PF, Celso Oliveira Alves, atuou como "interveniente" da maior transação da ENE. Em fevereiro de 2014, a companhia recebeu R$ 4,9 milhões da empresa Civilcorp Incorporações, que na época tinha como sócio Albano Máximo Neto. 

A PF investiga a transação de seis lotes de terra, no valor de R$ 9 milhões, que foram recolhidos em espécie, pela Transportadora Prosegur, na empresa Civilcorp Incorporações, que tem como sócios Albano Máximo Neto e a Intec Instalações Ltda. Albano aparece como requerido em dois processo no Tribunal de Justiça do Amazonas, suspeito de fraude em licitação na desapropriação de um imóvel comprado, em 2003, pela empresa Columbia Engenharia, por R$ 400 mil e desapropriado, três meses depois, pelo Governo do Amazonas, por R$ 13 milhões.

A PF investiga, ainda, depósito na conta da ENE, de R$ 1 milhão, por outra procuradora de Nejmi, Maria do Socorro L. Nascimento, de venda de imóvel sem identificação do comprador.  Dados no inquérito informam que Maria aparece como sacadora da conta da ENE, em 2009, de R$ 1 milhão, em quatro saques, entre outubro e novembro. Maria teve cargo de secretária executiva na Secretaria de Governo do Estado, em 2014, com salário bruto de R$ 10 mil e foi responsável pelo Comitê Financeiro do PMN, então partido de Omar Aziz, na eleição de 2010.

Diante das suspeitas, a PF está apurando se houve lavagem de dinheiro, bem como busca suspeita de crime anterior, a partir da movimentação atípica apresentada, além da ligação de pessoas com relações políticas e com histórico de processo de crime de fraude em licitação.

De acordo com documentos no inquérito, a ENE Empreendimentos e Participações Ltda. tem, pelo menos, 84 imóveis, entre terrenos na Ponta Negra (Chácara das Estrelas), no Condomínio Efigênio Sales, no Condomínio House Ville, no Loteamento Bourbon, em Foz do Iguaçu (PR), apartamentos em São Paulo (um de  R$ 1,5 milhão no bairro Ibirapuera, e outro de R$ 400 mil, no bairro Indianápolis) e diversas salas em um prédio da Engeco, na Avenida Mário Ipiranga, em Manaus.  O valor declarado de 58 do total dos imóveis soma R$ 14.047.836,61.
Outro lado

Procurado pela reportagem do jornal Diário do Amazonas, ontem, no final da tarde, o senador Omar Aziz afirmou que ainda não havia lido a matéria da Folha de S. Paulo e, após ser informado sobre o conteúdo da reportagem, disse não haver problema no fato da empresa mulher dele estar sendo investigada. "Se está sendo investigada, não tem problema em ser investigada, o problema é saber se tem alguma coisa errada ou não", disse o parlamentar.

O sócio que permanece no controle da Civilcorp, Adriano Pereira, afirmou à Folha de S. Paulo que o depósito de R$ 4,9 milhões efetuado na conta da ENE foi "uma transação imobiliária" pela qual a empresa adquiriu um terreno da ENE. "É uma transação lícita, tranquila", diz. O empresário Albano Máximo Neto não foi localizado pela reportagem.

Fontes: Holofote Manaus e D24am

Seja o primeiro a comentar

Nenhum comentário:

Postar um comentário