#Tabatinga-AM - Escritora indígena do Alto Solimões lança livro sobre preconceitos

29/06/2015, segunda-feira

Foto: Escritora Márcia WaynaFacebook Oficial da escritora Márcia Wayna/Divulgação

Márcia Wayna da Silva, da etnia Kambeba, diz que a obra é uma resposta aos prejulgamentos que sofreu durante a juventude

Por Otto Farias

O nome do livro "Ay Kakyri Tama", na língua Kambeba, traduzido para o português significa "Eu Moro na Cidade". A escritora, Márcia Wayna da Silva, é natural da região do Alto Solimões, nascida na comunidade indígena Ticuna, de Belém do Solimões.

De acordo ela, o livro é uma resposta aos preconceitos que sofreu durante a juventude.

"Eu digo que esse livro surgiu como resposta. Resposta à várias perguntas, à várias inquietações minhas, porque, muitas vezes, a gente compreende que, para ser indígena, tem que viver dentro de uma aldeia, de lá não tem que sair, sabe? Então, se sair de lá deixa de ser. Então, o povo vai chamar de que? Aculturado ou de dependente. E eu digo que a gente não defende de ninguém. Nós somos quem somos, porque eu posso viver aqui na região Norte, ir morar nos Estados Unidos e continuar sendo amazonense", destacou.

O trabalho tem como base o mestrado da autora e o livro "Ay Kakyri Tama", mesmo sendo de poemas, fala da questão cultural e identitária dos povos. A obra foi lançada no começo do ano de 2015.

Márcia Wayna da Silva é da etnia Kambeba, mestra em Geografia, compositora, cantora e reside na capital do estado do Pará, lecionando no Programa Plano Nacional de Formação de Professores de Belém.

Comentários